5 atitudes simples para deixar seus vizinhos (e você!) mais felizes

vizinhos
CompartilheTweet about this on TwitterShare on Google+0Share on Facebook0Share on LinkedIn0

É comum as pessoas reclamarem sobre algo que seu vizinho faz que as incomodam. Em condomínios isso é mais frequente, afinal, dividimos paredes, corredores, áreas de lazer, etc. Mas pare para pensar: dá muito mais trabalho tentar mudar os outros do que mudar a si mesmo. Assim, aqui vão 5 atitudes simples que vão ajudar a tornar a sua relação com seu vizinho muito mais agradável (e você também ficará mais feliz, eu garanto!):

  1. Retire seus sapatos e coloque uma pantufa ou chinelos, quando estiver em casa, independente da hora, especialmente logo cedo ao preparar seus filhos para irem pra escola, por exemplo. Além de ser bem mais relaxante depois de um longo dia de trabalho ou enquanto estiver se arrumando antes de sair, seus vizinhos agradecem por não ficar acompanhando seus passos dentro da sua casa.
  2. Monitore seu cãozinho para saber se ele se comporta bem enquanto você não está em casa. Pode até perguntar ao seu vizinho, sabia? Manter as unhas aparadas, dar brinquedos de pano (que não causem impactos no chão) e caminhadas frequentes podem ajudar a seu amiguinho se encaixar melhor na vida em condomínio. Outra dica do morador João César é “uso de coleira e focinheira nas áreas comuns do condomínio”. É simples e mostra respeito ao espaço que é compartilhado com seus vizinhos.
  3. Cumprimente seus vizinhos! Dizer “Bom dia” e desejar uma “boa tarde” ou “boa noite” não machuca ninguém e ainda pode ser o início de uma amizade. Mas seja verdadeiro, viu? Aproximar-se das pessoas que você já mora tão próximo pode ser muito bom! Você pode acabar formando um time de futebol ou conseguir alguns parceiros de academia, ao invés de ter estranhos decidindo com você o que é melhor para o condomínio, não é mesmo?!
  4. Respeite o horário de silêncio e descanso e a rotina de seus vizinhos. Quer receber um casal de amigos para jantar? Maravilha! Mas combine com eles um horário limite para as conversas animadas, depois, procure maneirar. Seus amigos não ficarão chateados se você combinar isso com eles previamente, acredite, eu já fiz isso!
  5. Explique para seus filhos as regras do condomínio e reforce cada regra quando ela for quebrada ou questionada. Se algum vizinho reclamar do comportamento deles, receba a reclamação com respeito, mesmo que você ache que a pessoa não tem razão. Assimile, converse com seus filhos e procure refletir dentro da sua casa o que pode ser feito.

Gostou?! Tem outras dicas para melhorar o convívio com vizinhos? Compartilhe!

CompartilheTweet about this on TwitterShare on Google+0Share on Facebook0Share on LinkedIn0

   12 comentários


  1. João César
      1 de julho de 2015

    Ótimas dicas, parabéns!
    Sugiro inclusive a colocação de um pequeno mural nos elevadores para divulgação de textos curtos sobre esses temas, que poderiam ser trocados periodicamente, com objetivo de conscientizar os moradores.
    Adicionalmente, me ocorre mais um detalhe sobre os cães e as caminhadas sugeridas: “uso de coleira e focinheira nas áreas comuns do condomínio é sempre fundamental”. Cachorro solto no condomínio não dá…
    Abraços.

    • Mariana Correa
        3 de julho de 2015

      Oi João! Ótimas sugestões. Sobre a impressão, darei essa dica aos síndicos.
      Já incorporei também a dica da coleira e focinheira ao artigo.
      Obrigada e um grande abraço!
      Mariana

    • Helena Scheffel
        9 de setembro de 2015

      Gostaria de conhecer vc Sr. João , para conversarmos sobre sua dificuldade com cães, tenho duas cachorrinhas , e fico preocupada em morar num lugar onde não somos bem vindas

      • João César Martinez Castro
          26 de novembro de 2015

        Sra. Helena. Será um prazer conhece-la. Estou à disposição para conversar e posso adiantar que não tenho dificuldades com cães (gosto muito de animais). Minha sugestão baseou-se no regimento interno do condomínio e deveu-se ao fato de que uma visita minha foi atacada por um cachorro deixado solto no corredor que dá acesso aos elevadores. Tenho certeza que a senhora e suas cachorras são benvindas no Porta do Sol.

    • Helena Scheffel
        9 de setembro de 2015

      Voce tem esse problema com crianças tb? sabe que focinheira pra crianças é mais dificil.

      • João César Martinez Castro
          26 de novembro de 2015

        A focinheira é um recurso que se usa para animais mais agressivos e/ou maiores quando conduzidos na proximidade de pessoas ou outros animais desconhecidos (como nos elevadores e corredores, por exemplo). Evita riscos de lesões em caso de ataques e dá mais tranquilidade às outras pessoas que precisarão ficar próximas de um animal que não conhecem. Além disso, também evita que dono responda civilmente pelos danos que ele provoque em caso de um ataque. Duas coisas para lembrar: (1) eu sei que meu animal é inofensivo, mas os outros não sabem – (2) nem todo animal é inofensivo e ninguém está obrigado a conviver com medo e risco de ser atacado.

        • Mariana Correa
            27 de novembro de 2015

          Pessoal, é muito bom discutir esse assunto.
          Acredito mesmo que se todos pensarem e se abrirem sobre seus receios e valores, podemos ter ambientes muito melhores para humanos e nossos queridos pets. Abraços!

  2. Edilberto Farias da Silva
      7 de julho de 2015

    Recomendações basicas de convivencia. Parabens pela divulgação. edilberto

  3. Marli Razzini
      8 de julho de 2015

    Uma dica:
    Que os moradores ao sairem pela manhã para o trabalho, ou para levar os filhos à escola, ou voltarem tarde de uma noite de diversão, que não passem conversando alto ou rindo em frente às janelas dos quartos, pois acorda quem quer dormir até um pouco mais tarde e incomada quando você vai dormir cedo. Evitar parar nas passarelas que ficam em frente aos quartos para conversar com um vizinho ou familiar.
    obrigada,

  4. Edgard
      24 de julho de 2015

    Ok, tudo (muito) bonito na forma que foi colocado. Parece até um conto de fadas…
    Faço tudo conforme foi descrito aí em cima !
    Só não sei o que fazer quando meu vizinho (do lado, de cima ou de baixo) não faz nada disso ?

    …e pior : solicito providencias ao síndico e ele faz de conta que não existo !

    • Mariana Correa
        29 de julho de 2015

      Edgard, compartilhamos do seu sentimento.
      É justamente por sabermos dessa realidade que procuramos estimular a reflexão e “bater nessa tecla” sempre que podemos tanto com condôminos quanto com síndicos. Nosso desejo é de alguma forma possamos influenciar positivamente esse convívio. Grande abraço!

  5. Paulo
      8 de setembro de 2015

    “Condomínio” significa domínio compartilhado. Isso está na lei, e quase todo mundo sabe.
    “Convivência” é viver junto. A regulamentação mais conhecida é a do Código Civil. A outra se chama “educação”. Pena que, entre brasileiros, esteja em franco declínio. Poucos conhecem, muitos ignoram, quase todos fingem esquecer quando afeta seu conforto. Mas lembram quando são afetados.
    Porque não brigam quando os construtores fazem pisos milimétricos e paredes ocas, que deixam passar o som? Porque não exigem imóveis de qualidade? Porque só querem saber do luxo das áreas comuns?
    Mas as regras (sugestões) colocadas são boas, sensatas e fáceis de aplicar. Espantoso é que se precise mencionar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *